Dinâmica É, Não É, Faz, Não Faz

Recentemente fiz o workshop de Lean Inception do Paulo Caroli durante a semana ágil do Scrum Gathering Rio.
Durante o workshop nos são apresentadas várias ferramentas para facilitar o processo da lean inception.
Na Jera já fazemos o uso dessas ferramentas, uma delas é o: É, NÃO É, FAZ, NÃO FAZ, que foi criado pelo Rafael Sabbagh da K21. Nesse vídeo há uma explicação mais detalhada.

Nas vezes em que facilitei o uso dessa ferramenta, seja pra ajudar um time a identificar seu papel ou para definir um produto, percebi que algumas pessoas ficavam com dificuldade em diferenciar o que algo É e o que algo FAZ.
Pensando em ajudar no entendimento, percebi que o que É e NÃO É, poderia ser associado com o uso de substantivos. No caso de definição de um produto, poderíamos dizer por exemplo que ele É um: aplicativo, seguro, local, etc; Para o preenchimento do FAZ e NÃO FAZ, fiz a sugestão de preencher pensando em verbos, pois expressariam uma ação ao qual o produto irá realizar, por exemplo: cadastrar usuário, filtrar um resultado, buscar.
Essas analogias facilitaram o entendimento da dinâmica, pois as pessoas começaram a ver de fato uma diferenciação ao preencher o quadro.
Nesse dia do workshop, sugeri as pessoas que pensassem no preenchimento do quadro usando essas associações, e foi muito bom o resultado, pois facilitou a aplicação da dinâmica.
Encorajada pela Mayra, resolvi compartilhar via esse post como eu faço.

E aí? Como vocês rodam essa dinâmica?

Meus primeiros meses trabalhando como desenvolvedora na Jera

Texto por Larissa Marães

Quando iniciei a minha graduação em Engenharia de Computação, eu não tinha muitas expectativas profissionais e muito menos conhecia as empresas de tecnologia da capital. Até que me ingressei em um curso técnico que me trouxe uma visão do mercado de TI. Neste curso, tive a oportunidade de visitar algumas empresas, e uma delas foi a Jera. Foi amor à primeira vista. Desde então, a Jera se tornou uma das empresas em que sempre sonhei em trabalhar.

Te quiero! <3

E então, em um momento perfeito da minha vida pessoal e acadêmica, encontro uma divulgação de vaga de estágio em desenvolvimento na Jera, na qual logo me inscrevi. Foram 4 etapas de processo seletivo, onde em cada uma eu me identificava cada vez mais com a empresa. Em uma das etapas, me enviaram um link onde continha o Culture Code da Jera e nele são apresentados os valores da empresa. Amor ao trabalho, foco no cliente, diálogo aberto, melhoria contínua e valorizar realizações… Ler essas palavras bonitas me pareceu encantador, mas no fundo, eu não tinha idéia de como isso funcionava.

Eu não sei o que é, mas eu tô dentro!

No dia 16 de junho de 2018, iniciou-se a minha jornada na taberna. E com a mentalidade de qualquer noob, eu achava que seria moleza desenvolver software (Sabe de nada, inocente!). Logo no primeiro dia apareceram os desafios. No meio de toda apresentação aos processos da empresa, foi necessário estudar bastante e tomar muitos cafezinhos para entender a fundo como o processo de desenvolvimento de software funciona lá dentro.

Diante dos times de desenvolvimento Web, Android e iOS, eu tinha quase certeza que iria atuar em desenvolvimento Web, pois já tive experiências nessa área, além do curso técnico que fiz. Mas para a minha surpresa, fui alocada no time Android!! O sentimento de desespero tomou conta ao perceber que estava fora da minha zona de conforto. E por conta disso, me empenhei o máximo e estudei sem parar para conseguir realizar minhas entregas. E quando eu achava que já tinha aprendido o suficiente, novos desafios surgiram e eu voltava a me empenhar e estudar. Em poucas semanas aprendi coisas que eu demoraria anos para aprender na faculdade. Em tão pouco tempo me senti estimulada a entender mais essa nova área e me tornar uma desenvolvedora tão boa quantos os desenvolvedores de lá. É melhoria contínua o nome disso, né?

Como me sinto estudando e percebendo que estou melhor do que ontem.

Mas nada como o primeiro app… Primeiro projeto dentro da Jera. Ainda estava aprendendo e me adaptando à todos os processos. “Não tenham medo de errar”, eles disseram. E foi o que eu fiz. Errei MUITO! Como era nova na equipe, pensei que seria tratada como uma mera novata. E por conta disso, eu tinha vergonha (até mesmo medo) de expressar as minhas dificuldades e pedir ajuda. Com isso, aprendi da forma mais dura a importância do diálogo aberto, pois sem ele tive uma semana difícil e falhei na entrega de algumas tarefas, além de prejudicar a minha equipe. Depois disso, passei a explorar mais o diálogo aberto no meu dia-a-dia, buscando entender e expressar ideias. E com isso, criar debates construtivos para solucionar problemas.

Euzinha falhando com a equipe 🙁

Diferente de qualquer trabalho de faculdade, eu não estava fazendo aquilo por uma nota ou aprovação em uma disciplina. Afinal, o que eu estava desenvolvendo fazia parte de algo maior, um produto que tinha investimento de uma pessoa que acreditava na sua ideia. Demorou um tempo para eu perceber isso. E quando percebi, comecei a desenvolver aquilo como se fosse meu produto também. E o resultado disso é incrível! Pois você se sente engajado com o projeto e o time, realiza entregas de qualidade, e melhor ainda, a satisfação do cliente. #FocoNoCliente

Meu app, my precious!!

Na Jera trabalhamos duro, mas quando comemoramos, é pra valer também! Além das reuniões diárias com o time, temos toda sexta uma retrospectiva (chamada carinhosamente de retrô) onde nos reunimos para discutir os pontos a serem melhorados e as coisas boas que aconteceram na semana. Aah… Como eu amo as retrôs! É o momento que temos para juntos fazermos barulho e comemorarmos as pequenas conquistas da semana. E então eu entendi como é bom valorizar realizações. não apenas as suas, mas as dos outros colegas de trabalho também.

E as retrôs são tipo isso…

E diante de todos os valores citados, o amor ao trabalho é o meu favorito. Pois quando eu acho que finalmente entendo o que é amar o trabalho, cada dia que passa eu me surpreendo e amo cada dia mais o que faço. E não só isso, é amar o que faz e amar fazer. E na Jera, com esse ambiente de trabalho maravilhoso, fica cada dia maior o amor que sinto pelo desenvolvimento de software e por essa empresa linda que mal conheço e já considero pakas! <3

 

 

Mindset ágil para melhoria contínua dos times

Mindset significa “mentalidade” ou “configuração da mente”, em outras palavras, é a forma como enxergamos o mundo e interpretamos os acontecimentos ao nosso redor. Porém, não é algo estático, estamos em constante evolução e essa “configuração da mente” pode ser reajustada com o tempo. Neste post você descobrirá a importância de adotar um mindset ágil para conquistar a melhoria contínua na agilidade.

Mais do que saber o que é e como aplicar as metodologias, é importante saber se adaptar e aprender com os desafios, sempre buscando a melhoria contínua. Porém, assim como a cultura organizacional não se nasce da noite para o dia, tal mentalidade precisa ser construída. Algumas características são essenciais para a criação de uma mentalidade ágil: cultura do compartilhamento de conhecimento, entregas contínuas de valor  e empoderamento de pessoas.

Cultura do compartilhamento de conhecimento

O compartilhamento de conhecimento auxilia para que todos os responsáveis do projeto saibam como está o desenvolvimento do mesmo, auxiliando na tomada de decisão e na percepção de erros. Desta forma, entrega-se um produto com maior valor para o cliente final, que foi inspecionado por vários pontos de vista em todas as partes do seu processo. Tal cultura é presente nos métodos ágeis que se baseiam no manifesto ágil, movimento que ocorreu em 2001 e tem como base o conceito de responder às mudanças mais que seguir um plano, ou seja, o importante é entregar um produto de valor para o cliente e para a organização, independente do que está em contrato.

Entregas contínuas de valor

Não é necessário chegar ao fim do projeto para perceber que um erro no começo poderia ter sido evitado. A existência de ciclos curtos de desenvolvimento é uma das grandes vantagens dos métodos ágeis pois é possível “errar cedo” e refletir sobre as falhas no processo bem como a solução. Aprender com os erros é crucial para um mindset ágil.

Empoderamento de pessoas

O conceito de liderança é outro, hoje, todos os membros de um time são responsáveis por mobilizar, influenciar uns aos outros e buscar formas para que o ambiente seja o mais harmonioso possível e propício a mudanças. Autonomia é a chave do alto desempenho, confiar responsabilidades às pessoas, por mais simples que elas sejam, proporciona um ambiente de confiança e que incentiva as mesmas a procurarem a evolução de suas atividades de forma natural, sem “forçar a barra”.

De forma geral, executar (cegamente) as atividades e rituais que os métodos ágeis pregam não vai melhorar a performance do time, só vai engessar e complicar o processo. Para alcançar a melhoria contínua dentro da agilidade é necessário mudar o mindset não só do time mas da organização como um todo.

Texto: Isna Faria e Maria Fernanda Marcotti

Aumente as chances de sucesso do seu negócio com o método de MVP Sprint

Muitos de nós já tivemos ideias fantásticas e que iriam revolucionar o mundo. Quando temos estas ideias, ficamos muito empolgados. Imaginamos as pessoas utilizando e queremos botar em prática o quanto antes.

Porém, quando sentamos na nossa cadeira para pensar em como iremos começar, milhões de perguntas surgem. Ficamos inseguros, a apreensão bate e nos questionamos: será que minha ideia vai dar certo?

Ou pior, alguns até conseguem tirar do papel e depois de gastar muito tempo e dinheiro, veem seu projeto não dar certo e se frustram com o esforço que foi em vão.

Alguns dos nossos clientes tiveram estes problemas e não era legal vê-los nesta situação. Como solução, começamos a utilizar a metodologia Direto ao Ponto de Paulo Caroli, que ajudou-nos a estruturar melhor os projetos deles, o que trouxe produtos mais enxutos e que entregam mais valor. Depois de perceber o resultado positivo, criamos o processo de MVP Sprint.

Nunca ouviu falar sobre MVP, aconselho ler estes artigos do nosso blog que explicam o que é:

Você conhece o Lean Startup? Veja como essa metodologia pode ajudar sua empresa

Como lançar um aplicativo de sucesso no mercado

O que é a MVP Sprint

O processo de MVP Sprint é um trabalho colaborativo que dura em torno de duas semanas e envolvem as partes interessadas do negócio (clientes) e a nossa equipe.

Durante estes dias, exploramos e entendemos o problema, debatemos o negócio, propomos soluções, definimos a estratégia e o que será feito e, por fim, construímos o MVP (Produto Mínimo Viável) alinhado aos objetivos do negócio propostos.

Quer saber mais sobre a MVP Sprint? Clique na imagem acima e baixe a apresentação que fizemos na Feira do Empreendedor MS, que detalha todas as etapas realizadas durante o processo.

Dividimos o processo em duas fases: descoberta e wireframe.

Descoberta

Nesta fase reunimos todos os envolvidos com o projeto em uma sala fechada. É interessante que tenha pessoas de áreas diferentes. Isso porque o debate torna-se mais amplo e a gama de conhecimento maior.

Em cinco dias realizamos várias dinâmicas para esmiuçar tudo sobre a ideia. Ao final da sprint de descoberta, definimos a visão do produto, o perfil dos usuários do negócio e as funcionalidades que entrarão no MVP e também alinhamos a estratégia de lançamento do produto, na qual, estipulamos os resultados esperados e as métricas de sucesso.

Wireframe

Nesta fase construímos o protótipo do produto conforme o MVP  já definido na descoberta. Os objetivos desta etapa são: materializar o que estava na mente de todos e ter algo palpável para validar a ideia.

Chamamos esta fase de wireframe, porque é um modelo de protótipo utilizado em design de interface que busca estruturar a navegação e a disposição do conteúdo, esquivando-se de qualquer apego visual.

Exemplo de wireframe

Para fazer o wireframe do protótipo, utilizamos o Sketch App para desenhar as telas e o Invision para fazer a navegação do sistema.

Validação

É fundamental realizar a validação do protótipo construído na MVP Sprint. Com isso você terá respostas que irão ajudar na evolução do negócio, mudar de direção ou abandonar a ideia.

Descobrir que sua ideia fracassou é triste, mas não é ruim. Pense que será gasto menos tempo e dinheiro do que se fosse feito um projeto gigantesco e sem uma estratégia traçada.

Conclusão

A MVP Sprint auxilia na organização das ideias. Também ajuda a estimar com mais precisão os custos e o cronograma do projeto.

Outro ponto positivo é a idealização de produtos mais enxutos. E que também entreguem valor e direcionem para onde se quer chegar.

Além do viés estratégico, os envolvidos com a ideia compreendem melhor os objetivos do negócio. E acabam se engajando ainda mais para fazer acontecer o projeto.

Texto e Imagem: Vinicius Rocha

Afinal, O que é Hackathon? Veja agora cinco motivos para participar de um

O termo hackathon anda ganhando muita popularidade ultimamente, principalmente na área de tecnologia. Você provavelmente já deve ter ouvido ele pelo menos uma vez, certo?

Mas afinal, o que é esse tal Hackathon? É um ritmo baiano? É uma nova linguagem de programação?

Nem um, nem outro. O Hackathon, na verdade, é um evento que objetiva colocar em produção uma ideia/negócio/produto que solucione um problema social. Durante o Hackathon, profissionais de diferentes áreas (negócios, tecnologia, comunicação, etc) se reúnem e trabalham juntos para criar uma solução para o problema apresentado. Legal né?

Os participantes do Hackathon são divididos em times, escolhidos aleatoriamente. E os grupos devem colocar em produção uma ideia inovadora em 48h. No final do evento, uma equipe de avaliadores técnicos irão julgar os projetos. O time que colocou a melhor ideia em produção ganha o prêmio.

Agora já sabendo disso, vamos falar um poucos sobre quais são os motivos para você participar de um Hackathon:

Ajudar a resolver um problema social

Todos nós, uma vez ou outra, reclamamos dos problemas que nos cercam, mas que infelizmente pouco podemos fazer para mudá-los. Seja um problema ambiental, social ou econômico. No evento, você poderá fazer a sua contribuição para a nossa sociedade e criar uma forma de melhorar a vida das pessoas. E depois, se você quiser, pode até dar continuidade com a ideia.

Network

Diversas pessoas, de diferentes cidades e áreas, estarão participando do evento junto com você e farão parte do seu time. Então, é uma ótima oportunidade para ampliar a sua rede de contatos ao redor do Brasil e divulgar o seu trabalho.

Aprimorar soft skills

Não é só de hard skills que se vive um profissional, né?! No Hackathon você será levado ao seu máximo durante horas de trabalho, então você com certeza desenvolverá habilidades novas ou irá aprimorar as que você já tem. Por exemplo, você irá precisar ser resiliente, trabalhar em equipe, ser orientado para solução, analítico, comunicador, inovador, entre outras coisas.

Imersão

Você ficará um final de semana inteiro estruturando e desenvolvendo o seu produto. Então serão horas de trabalho focado e imerso no mundo da tecnologia, empreendedorismo e inovação.

Ambiente desafiador

Participar de um Hackathon é uma experiência que irá te tirar completamente da sua zona de conforto. Afinal, você precisará criar e desenvolver a melhor solução para o problema apresentado em apenas 48h e com pessoas que você nunca trabalhou antes. Então, se você gosta de desafios e aprendizado rápido, o evento foi feito para você.

Ficou interessado? Então faça a sua inscrição em um agora mesmo! O Google Developers Group de Campo Grande – MS (GDG CG), com o apoio da Jera, está organizando o seu primeiro Hackathon. Para fazer a sua inscrição é só acessar o link: https://bit.ly/2LtwXFT

Corre lá porque o evento já irá acontecer semana que vem!