TDC 2011 GYN rules!

Neste final de semana estive em Goiânia para palestrar no TDC 2011 GYN a convite do grande Alê Gomes que foi o coordenador da trilha de Empreendedorismo. Eu apresentei a mesma palestra do QCon com algumas adaptações para caber em 25 minutos e um novo título: Aprendendo a errar ou errando para aprender?

Eu tinha várias expectativas sobre o evento, primeiro, tinha muita gente boa na trilha, segundo, a dinâmica de palestras mais curtas e open space, e terceiro para escutar histórias muito parecidas e também muito diferentes da minha. A trilha focou pouco em passar conceitos vistos em livros e mais em mostrar “a vida (de empreendedor) como ela é“.

E o que aconteceu superou minhas expectativas. Tive a oportunidade de escutar histórias e conhecer (isto é tomar cerveja com) pessoas incríveis. Destaque para a palestra surpresa que foi com Vinícius Senger, fundador da Globalcode, e brother de outros carnavais, para falar um pouco da senoidal que é empreender. Ele falou sobre 10 anos de empresa e pelos altos e baixos que passaram.

Outra palestra que pra mim foi muito tocante, foi do Bruno Rossi, que segundo ele, começou a programar em Java para não ser mais zuado pelos amigos como o único que não manjava de computador. Ele deixou claro que não precisa ter super poderes para empreender, e principalmente, aprender. Como já dizia Silvio Santos, o sucesso é 10% inspiração e 90% transpiração.

Gostei muito também da apresentação do Manoel Pimentel que usou seus conhecimentos de TI para criar um modelo de franquia de um sanduíche tradicional gaúcho chamado xis-gaúcho. Os caras já estão com duas lojas em Brasília e com planos para expansão rápida.

Tivemos também a galera de Uberlândia, o Baiano e o Presuntinho do UAIJUG, falando sobre dificuldades de empreender no interior, André Faria com 120 slides em 25 minutos, Fabricio Buzeto apresentando as experiências o startupei.ro e os keynotes do Matheus Haddad com participação do Alê Gomes sobre Lean Startup e do Marcos Beto falando sobre Business Model Generation.

No domingo participei um pouco da trilha ágil coordenada pelo Manoel Pimentel e fiquei mais tempo nos bastidores trocando idéias com a galera. Tivemos também dois ótimos “Hora Extra” para tomar uma cerveja e jogar conversa fora. Em um deles inclusive consegui mostrar meus atributos de músico aposentado com direito a filmagens e gritinhos…

Obrigado galera de Goiânia pela ótima recepção, ao Alê pelo convite e a Globalcode representada pelo Vinicius e Yara Senger pela realização do evento!

TDC 2011

Participamos do TDC 2011 que aconteceu entre os dias 06 a 10 de Julho de 2011.

Esse evento é organizado pela Globalcode, uma empresa que tem dominado a arte de juntar a comunidade, somos fãs dela. O evento tinha nada mais nada menos do que 30 trilhas 🙂

Coordenamos a trilha de empreendedorismo no sábado (09/07), e o negócio foi muito massa, o objetivo principal era debater ideias, discutir soluções e trocar experiência com pessoas que vivem a batalha de empreender no Brasil. E isso funcionou muito bem, tivemos 7 palestras, uma melhor que a outra.

  • Lean Startup – Fernando de La Riva da Concrete Solutions
  • “Free”  – Bruno Souza mostrou como é importante fazer negócios de graça e como ganhar dinheiro com isso.
  • Globalcode, 10 anos de história: o que deu e o que não deu certo – Yara e Vinícius contaram em detalhes como construiram essa empresa.
  • SaaS, funciona e eu vou provar – Ricardo Coelho mostrou
  • Programadores, guitarras e negócios – Elton Minetto falou um pouco sobre a experiência com a CodeRock.
  • Modelos abertos e não lineares de inovação – Flávio Fonseca
  • O destino de um programador poliglota – Rafael Noronha

De improviso rolou uma mesa Redonda com Vinícius Senger, PorKaria, Bruno Souza, Ricardo Coelho e Juan Bernabó. Esse foi o melhor momento da trilha de empreendedorismo, Juan Bernabó  mostrou o vídeo do “Bulletball” para explicar rapidamente o que é Lean Startup.

No domingo, André Santee apresentou a palestra “Desenvolvendo Games Multiplataforma” na trilha de Games. Foi outra trilha que bombou no evento, público e palestrante de altíssimo nível.

Enfim….

O TDC 2011 foi muito foda, se você não foi, perdeu grandão. Só não se ferrou por completo porque a Globalcode vai disponibilizar algumas palestras no site do evento.
Essa semana estaremos no TDC 2011 em Floripa, novamente coordenando a trilha de empreendedorismo!

Estive na Feira do Empreendedor, e gostei!

Semana passada aconteceu dos dias 21 a 24 de Julho a Feira do Empreendedor 2010 promovida pelo SEBRAE. O evento conta com um orçamento invejável e teve uma organização brilhante. A feira contou com dezenas de expositores de produtos e serviços relacionados às áreas de Agronegócios, Artesanato, Beleza, Saúde e Estética, Comércio e Serviços, Gastronomia e Alimentação Fora do Lar, Moda e Confecção, Outros Setores, Reparação Automotiva e Tecnologia e Internet.

Vista de cima

A área de Tecnologia e Internet contou com diversos expositores como fornecedores de software, marketing para web, e-commerce, EAD, entre outros. Aconteceram também dezenas de palestras e oficinas durante todos os dias do evento com temas bastante variados e relacionados em sua maioria com marketing e negócios para Internet.

Eu estive no evento no sábado, acompanhado do Jeffmor, e no domingo, acompanhado do meu amigo Josué. Assisti algumas palestras que vou resumir aqui:

No sábado eu assisti a palestra do Rodrigo Vasconcelos, VP de produto e P&D do Buscapé com o título: Um pequeno negócio que se tornou um gigante. A palestra foi sensacional! Ele falou sobre a tragetória do Buscapé desde o início da década até se tornar o gigante que é hoje. Eu mesmo não sabia que o grupo era tão grande. Se você não entendeu o que estou dizendo acesse http://www.buscape-inc.com/ e confira a quantidade de negócios que estão agregados no grupo.

Ele falou bastante sobre captação de capital, visão de negócios, alinhamento dos negócios do grupo buscapé, dicas sobre lançamento de produtos para Internet, formas de ganhar dinheiro na Internet, enfim, uma aula sobre marketing on-line vinda de quem faz isso há 10 anos! Foram 2:30 de palestra e não foi nada cansativo, acredite, até eu fiquei acordado!

Rodrigo Vasconcelos do Buscapé

Depois fui assistir a palestra do Ricardo Nantes, Diretor Presidente do Portal Educação com o tema Caso de sucesso Portal Educação – Como fazer sua empresa uma das 100 Melhores Empresas para se Trabalhar no Brasil. A palestra foi bem bacana, mas acredito que o tempo foi um pouco curto para explicar todo o processo de mudança que foi implementado na empresa até constar no guia Exame como uma das 100 melhores empresas para se trabalhar. Ultimamente tenho tido bastante contato com o pessoal do Portal Educação e pude presenciar um ambiente de trabalho realmente muito legal, pensado para promover o bem estar dos funcionários e desenvolvimento pessoal.

Ricardo Nantes do Portal Educação

No domingo tive mais tempo de dar uma conferida nos stands de Tecnologia e Internet e dar uma volta pelas outras áreas da feira. Encontrei nosso colega do Pantanet o Gustavo Malheiros e Andre Akagi, agora Diretor de Novos Negócios do Portal Educação, que falou sobre 20 Ferramentas Tecnológicas produtivas para o empreendedor. A palestra do André foi bastante informativa para aqueles que querem fazer um melhor uso de ferramentas (na sua maioria gratuitas) na Web. Ele publicou os slides no slideshare e convidou a todos para deixar também suas sugestões!

André Akagi do Portal Educação

Também experimentei os pratos típicos da praça de alimentação que contava com a presença de ótimos restaurantes de campo grande como o Fogão de Minas, Lagoa da Prata, Firulas Café, Barbaqua, Ti-batata, Afonso 3007 e Parks. (acredito que me lembrei de todos!)

Além do belo evento, o pessoal da organização também fez um trabalho muito legal on-line, com direito a um excelente Website, Twitter, Orkut, Facebook e grande divulgação também na mídia off-line. Acredito que na próxima edição possamos apresentar alguns trabalhos da Jera!

O SEBRAE MS está de parabéns pelo evento, e esperamos que ganhemos desta vez o prêmio de melhor feira do empreendedor do Brasil!

Lei trabalhista e trabalhadores

Hoje li mais um artigo bombástico do Ricardo Jordão entitulado “Eu escutei os conselhos de pessoas mais inteligentes do que eu, e ignorei a todos” falando sobre o tema trabalho. Concordo plenamente com a visão exposta por ele no artigo e em breve terei boas novidades publicadas aqui sobre o assunto.

Mas o assunto desse meu post é outro ponto de vista sobre o assunto. Há alguns minutos escutei meu pai reclamando que não tem mais gente querendo trabalhar hoje em dia. Ele é advogado e atende vários processos trabalhistas desde quando já advogava pela empresa dele. Contou o caso que está atendendo de uma construtora que contratou 15 funcionários e destes, 14 entraram com ações trabalhistas alegando um absurdo maior que o outro.

Alguns casos são até engraçados. Um desses 14 foi contratado, levou sua carteira de trabalho para a empresa registrá-lo e nem apareceu no primeiro dia de trabalho. O RH tentou contato, mas o cara não foi encontrado e também não fez nenhum contato. Alguns dias depois, chega uma ação trabalhista acusando a empresa de reter a carteira de trabalho do cidadão, que está com a pensão alimentícia atrasada (o que realmente dá cadeia no Brasil) e está impossibilitado de trabalhar devido a empresa não ter devolvido sua carteira de trabalho. O advogado do cidadão pediu R$ 6.000,00 por “danos morais”. É mole??

Concordo com o mérito das leis trabalhistas quanto ao objetivo de proteger o trabalhador contra empresas exploradoras. Mas pensando que a maioria das empresas do país, e maiores empregadores, são pequenas ou micro-empresas, não vejo muitas histórias de exploração do funcionário pela empresa nesses casos. O que tenho visto com bastante frequência é o empresário reclamando de ações trabalhistas uma mais absurda que a outra. Alías, como meus pais sempre foram empregadores, escuto isso desde criança.

O interessante é que as vezes a gente tenta se colocar no lugar das pessoas. Baixos salários, trabalho insalubre, condições precárias de segurança, nenhuma escolaridade são fatores que só agravam o problema. Mas trabalhando na área de TI, que conta sempre com bons salários (pelo menos maiores que a média nacional), alta escolaridade, boas condições de trabalho, ainda nos deparamos com pessoas querendo tirar vantagem e exigir seus “direitos”. Enfim, … não vou entrar nos méritos desse assuntos, é lamentável.

O ponto que quero focar é que hoje temos mais empregos do que profissionais capacitados para o trabalho. Milhões de pessoas buscando a estabilidade do serviço público com seus altos salários e benefícios, além de um plano de carreira que culmina na aposentadoria sem muito esforço. Não encontrei uma boa maneira de terminar esse post, infelizmente é um assunto que me deixa bastante chateado. Mas disso eu tiro uma lição para mim: Quero equilíbrio, e não estabilidade.