A importância da criação de um MVP para validação do seu produto digital

Segundo estatísticas do IBGE (2013, 2014), em torno de 60% das empresas encerram suas atividades com menos de cinco anos. E o cenário é um pouco diferente para as startups.

Um estudo realizado pela aceleradora Startup Farm indicou que, não só 74% das startups brasileiras fecham após cinco anos de existência, como também 18% delas desaparecem antes mesmo de completar dois anos.  Ao analisar as causas, segundo Igor Mascarenhas, diretor de investimentos da Farm, pode-se encontrar o tópico desalinhamento entre a proposta de valor e o interesse do mercado

Em um cenário de negócios digitais, a previsibilidade do sucesso de um empreendimento nem sempre é possível de ser certificada, já que existem mudanças a todo momento, tanto de metodologias e gostos, quanto de opiniões dos usuários e etc. No entanto, a partir de determinadas ações e planejamentos, é possível obter uma breve percepção sobre o tópico destacado acima, antes mesmo do produto ser de fato lançado por completo. Uma dessas ações é a criação de um Mínimo Produto Viável. 

O que é um Mínimo Produto Viável?

De acordo com Paulo Caroli, criador do método Lean Inception, o MVP determina quais são as funcionalidades mais essenciais para que se tenha o mínimo do produto digital funcional, que possa agregar valor para o negócio e que possa ser efetivamente utilizado e validado pelo usuário final. 

Resumindo, um MVP é a versão de um produto apenas com as funcionalidades básicas para que ele cumpra a função ou objetivo para o qual foi planejado. 

Como um MPV ajuda em questões de previsibilidade e alinhamento com o mercado?

Um MVP, ao contrário do que pode parecer, não é um produto inacabado, mas sim uma alternativa enxuta desenvolvida com o mínimo de esforço e recursos. É por meio dele que você aprenderá o que falta no seu produto e se ele de fato vale seu investimento, pois após a criação desse produto mínimo, você deverá testá-lo com uma fatia de usuários que chamamos de early adopters. 

Em seguida, você terá feedbacks valiosos a respeito de funcionalidades que eles sentiram falta, se conseguiram enxergar o uso do produto no cotidiano, se comprariam e muito mais. Essas informações ajudarão a trazer uma maior certeza em relação ao retorno do seu futuro investimento e também uma possibilidade de adaptação de funcionalidades para que você chegue no produto ideal para o mercado e seus usuários antes mesmo dele ser desenvolvido. 

E quando falamos de produtos digitais, o MVP pode ser as telas da plataforma com uma navegação focada nas funcionalidades essenciais, logo, por exemplo, se a sua ideia é criar um app e-commerce, o seu protótipo provavelmente será focado em realizar a ação de compra (visualizar catálogo, adicionar produtos no carrinho, escolher forma de pagamento, frete e finalizar compra). 

Todas as dificuldades que seus early adopters enxergarem nesse processo, você saberá, e poderá modificar no seu MVP e testar novamente, até ter certeza que o fluxo principal do seu app, ocorrerá de maneira eficiente. 

Em um app em fase de desenvolvimento, sem um MVP prévio, essas alterações poderiam custar um desperdício de recursos desnecessários ou até mesmo prejudicar a experiência do usuário no futuro, fazendo com que seu empreendimento perca clientes.

Como tornar a minha ideia em um MVP?

Aqui na Jera, antes do desenvolvimento de qualquer app, sempre sugerimos a construção de um MVP através do nosso processo de Design Sprint. Na primeira fase desse processo, que chamamos de Descoberta, utilizamos a metodologia Lean Inception e ficamos imersos, geralmente durante uma semana, em dinâmicas descobrindo tudo sobre o produto que será desenvolvido: funcionalidades, visão principal do negócio, personas, jornada dos usuários, entre outras. 

Tudo isso servirá para construirmos um Canvas MVP, onde dividiremos o app inteiro em pequenos lançamentos (releases), colocando as funcionalidades principais na primeira release, e as menos essenciais nas seguintes. Com isso, teremos o foco principal das próximas fases: Wireframe e Layout. 

Nelas, um de nossos designers irá criar um protótipo para um primeiro lançamento, contendo os fluxos e funcionalidades mais importantes definidos na etapa de Descoberta. 

Ao final de todo processo, você terá um protótipo do seu aplicativo, que você poderá utilizar para testar, aplicar pesquisas de mercado e eventualmente modificar após os feedbacks recebidos dos seu público-alvo.

 

Com isso, pode-se concluir que o MVP é uma etapa essencial na criação de um produto digital, pois traz mais entendimento sobre o seu produto, ajuda a filtrar ideias e é a forma mais rápida de validar um produto com o mínimo de recursos. 

Além disso, ele pode ser o diferencial necessário para que seu produto seja lançado gerando o máximo de impacto no mercado e cumprindo seu propósito principal: entregar valor aos seus usuários.

 

Texto por Júlia Lamim.