Design além do visual: uma ferramenta para impulsionar seu negócio

Por ser uma área relativamente nova, em especial no campo da TI, o papel do design tende a ser mal interpretado por muitos. Ele acaba sendo associado principalmente às questões visuais. Embora muito importante, o visual é apenas parte das muitas áreas contidas nessa competência.

Gosto de pensar no design, como um todo e não só a parte visual, um diferencial do nosso trabalho e, em todas as fases se mostra muito presente: do entendimento à modelagem, passando pelas definições de negócio e validação até, finalmente, trabalharmos questões estéticas e de usabilidade.

Em vista disso, resolvi escrever este artigo para falar rapidamente sobre as competências do design que utilizamos e suas atribuições. Então tente pensar em design como uma ferramenta para resolução de problemas, ao invés de meramente arte.

“Qual é o problema que queremos resolver?”

Descoberta

Normalmente, quando recebemos novos projetos, o cliente nos apresenta uma solução para algum problemas existente no mercado que ele gostaria de transformar em aplicativo.  Um bom designer resiste à tentação de sair desenhando belas telas e já no início faz a pergunta mais importante de todo projeto: “Qual é o problema que queremos resolver?”.

Muitas vezes essa é a única pergunta que precisa ser feita para sabermos se aquele empreendimento é promissor ou não.  Se o cliente não consegue responder é sinal que a solução está comprometida, ou seja, tem grandes chances do negócio morrer no momento em que for lançado. Afinal, se ninguém compartilha de uma dor não há problema, e se não há problema, para que precisaríamos de uma solução?

Para responder a esta pergunta fundamental existem diversas metodologias, tais como UX (User Experience) research, Lean Startup Canvas e, a que utilizamos aqui na Jera, Lean Inception do Paulo Caroli, autor do livro Direto ao Ponto. Todas compartilham fundamentos comuns ao Design Thinking, que consistem em definir o problema, gerar empatia nos profissionais envolvidos no desenvolvimento do projeto, imaginar soluções para o problema, prototipar e validar a solução.

Do resultado final deste trabalho saem duas possíveis conclusões igualmente benéficas:

  1. Não existe problema e a ideia não deve seguir em frente;
  2. Existe problema real que as pessoas gostariam de ter resolvido, acompanhado de algumas possíveis soluções.

Em ambas situações todos saem ganhando. Pode-se evitar o investimento de tempo e dinheiro em um software que não gera valor e não tem clientela. Ou pode-se vislumbrar se a solução gerada trará retorno satisfatório e quais são os requisitos mínimos para possibilitar a operação da empreitada.

Assinatura

Se a ideia seguir em frente, passamos então para a etapa de branding. Nesta fase, nascem não apenas os logotipos, mas também a personalidade e a voz de uma empresa. O objetivo é entregar uma apresentação visual mais coerente do negócio que está surgindo.

Não que seja impossível desenhar uma bela logo sem um complexo estudo de mercado, muito pelo contrário. Mas designers experientes farão uma série de perguntas e estudos para construir um ícone que tenha tudo a ver com a imagem que a empresa deseja passar aos consumidores.

Na Jera, a maioria dos nossos projetos são de novos negócios. Por isso, formatamos um processo reduzido de branding para ajudar a ganhar tempo sem deixar a harmonia de lado.

No resultado final desse trabalho, entregamos o estudo da personalidade, aparência e voz da marca. Também é definido como ela se relaciona com o mercado, sem esquecer, obviamente, do logotipo.

Arquitetura

Considerando que as duas etapas anteriores estão bem resolvidas, é o momento de definir como funcionará cada tela do aplicativo. Nesta fase, nós iremos decidir como será o fluxo das telas do app e encaixar nele as funcionalidades estabelecidas anteriormente. Isso nos permite completar os objetivos definidos também na descoberta.

Nesse momento, nos preocupamos com os requisitos técnicos, hierarquia de informação, funcionalidades e a quantidade de passos do início ao fim da jornada do usuário. Buscando sempre a simplificação e o menor número de interações possível.

No fim, é entregue um wireframe de baixa fidelidade visual e um fluxograma, que mapeia todas as telas e requisitos do app. O material produzido já pode ser utilizado para testar as interações com o usuário final. Mas deve ser usado principalmente para colher feedbacks valiosíssimos que serão utilizados para melhorar o protótipo antes de passar à próxima fase. Além, é claro, de ser uma importante documentação ao longo do desenvolvimento da interface funcional.

Design de interface

Finalmente, esse é momento que todos esperavam no início! Agora a parte visual poderá ser trabalhada com a segurança de que o problema está resolvido, a identidade foi definida e os requisitos de sistema estão mapeados. Isso, é claro, pensando hipoteticamente, já que o produto ainda não foi testado em ambiente real de mercado para sabermos se a solução é a esperada pelos clientes.

Esse é um trabalho para o designer visual que, ao contrário das outras etapas, trabalha praticamente sozinho. Cabe a ele aplicar todos os conceitos de psicologia da forma, harmonização de cores e linguagem tipográfica para a consolidação de um sistema de design consistente. Esses são conceitos muito mais complexos e que não devem ser chamados de “arte”, uma vez que não são arbitrários, subjetivos ou ainda “feitos para chocar”. Embora existam inúmeros exemplos de interface que são de causar arrepios.

Enfim, teremos aqui um protótipo fiel do que será desenvolvido por nossos programadores.

Conclusão

screenshot-2018-02-22-at-17-57-36

São muitas as áreas dentro do design e não convém comentar todas para não nos estendermos no assunto. Entretanto, acredito que as mencionadas aqui compõem o mínimo que uma startup deve se preocupar ao lançar um novo produto, para ser o diferencial na vida de seus consumidores.

Acredito ainda no design como uma ferramenta essencial para potencializar o sucesso de um novo negócio, muito mais do que um mero apelo visual e sempre com aquela primeira pergunta em mente: Qual é o problema que queremos resolver?

Mas e você? Tem algum problema real que precisa ser resolvido? Conte-nos sua ideia e nós ajudaremos a descobrir uma solução. Clique aqui e faça um orçamento conosco! 

 

Texto: Ney Ricardo
Imagem: Dan Saffer’s diagram