Retropg: Uma retrospectiva Scrum utilizando RPG

Um app antigo em sua quarta versão, com um time extremamente focado (e cansado haha) a retro final do projeto precisava ser algo divertido e que criasse um ambiente seguro para que todos pudessem falar livremente e fechar esse ciclo.

Um grande desafio surgiu: qual estrutura usar na retro? nós, facilitadores, temos dinâmicas para os mais variados contextos mas, para essa em especifico, parecia tudo muito mais do mesmo. Tinha que ser algo diferente que realmente engajasse o time (que fez um trabalho excepcional ❤).

Comecei a pensar no perfil de cada um, o que ouviam, o que liam, o que faziam no tempo livre e essa atividade foi uma grande descoberta pra mim. Lembrei que os meninos sempre almoçavam rápido para jogar RPG e.. wtfff o que é RPG? hahaha

Role-playing game, também conhecido como RPG, é um tipo de jogo em que os jogadores assumem papéis de personagens e criam narrativas colaborativamente. O progresso de um jogo se dá de acordo com um sistema de regras predeterminado, dentro das quais os jogadores podem improvisar livremente.

Depois de ler essa breve descrição fiquei extremamente entusiasmada: achei a estrutura perfeita para fazer a retro final do projeto. Sabia que o desafio seria grande então convidei o tester do projeto para me ajudar a estruturar. Se você nunca contou com um membro do time para te ajudar a planejar a retro, experimente o/ é uma experiência muito enriquecedora!

O app é uma agtech que facilita o dia-a-dia do produtor rural através de ferramentas para o manejo, gestão e proteção da lavoura. Partindo deste contexto a história começou a ganhar forma..

Era uma vez em uma terra muito, muito distante em uma vila de camponeses que plantavam soja e não tinham um agrônomo pra ajudar. Surgiu um grande mago que concedeu um artefato mágico (o app) para ajudar os camponeses

Os camponeses eram muito felizes usando o artefato mágico e isso gerou muita inveja da vizinhança que enviou um demogorgon para atacar a vila

Então, 7 bravos guerreiros deveriam lutar para salvar as terras e proteger o artefato mágico:

Cada membro do time era um personagem de RPG e tinha um poder (dano ou cura):

Conforme a história se desenrolava e o dado girava, o time deveria fazer uma das 8 ações:

Para o texto não ficar muito extenso, vocês podem conferir os slides aqui 😉

O resultado? a retro mais divertida que já facilitei hahah todos, sem exceção, falaram de forma transparente e conseguimos várias feedbacks para o crescimento do time e de cada um.

O recado que quero deixar é: passamos a maior parte do tempo no trabalho e, muitas vezes, não nos conhecemos o suficiente para extrair o melhor de cada um. Antes de organizar uma retro, reflitam profundamente sobre o time e como o melhor ambiente pode ser criado, ousem e não tenham medo de arriscar algo novo.

Texto por: Maria Fernanda Marcotti

TDC 2011 GYN rules!

Neste final de semana estive em Goiânia para palestrar no TDC 2011 GYN a convite do grande Alê Gomes que foi o coordenador da trilha de Empreendedorismo. Eu apresentei a mesma palestra do QCon com algumas adaptações para caber em 25 minutos e um novo título: Aprendendo a errar ou errando para aprender?

Eu tinha várias expectativas sobre o evento, primeiro, tinha muita gente boa na trilha, segundo, a dinâmica de palestras mais curtas e open space, e terceiro para escutar histórias muito parecidas e também muito diferentes da minha. A trilha focou pouco em passar conceitos vistos em livros e mais em mostrar “a vida (de empreendedor) como ela é“.

E o que aconteceu superou minhas expectativas. Tive a oportunidade de escutar histórias e conhecer (isto é tomar cerveja com) pessoas incríveis. Destaque para a palestra surpresa que foi com Vinícius Senger, fundador da Globalcode, e brother de outros carnavais, para falar um pouco da senoidal que é empreender. Ele falou sobre 10 anos de empresa e pelos altos e baixos que passaram.

Outra palestra que pra mim foi muito tocante, foi do Bruno Rossi, que segundo ele, começou a programar em Java para não ser mais zuado pelos amigos como o único que não manjava de computador. Ele deixou claro que não precisa ter super poderes para empreender, e principalmente, aprender. Como já dizia Silvio Santos, o sucesso é 10% inspiração e 90% transpiração.

Gostei muito também da apresentação do Manoel Pimentel que usou seus conhecimentos de TI para criar um modelo de franquia de um sanduíche tradicional gaúcho chamado xis-gaúcho. Os caras já estão com duas lojas em Brasília e com planos para expansão rápida.

Tivemos também a galera de Uberlândia, o Baiano e o Presuntinho do UAIJUG, falando sobre dificuldades de empreender no interior, André Faria com 120 slides em 25 minutos, Fabricio Buzeto apresentando as experiências o startupei.ro e os keynotes do Matheus Haddad com participação do Alê Gomes sobre Lean Startup e do Marcos Beto falando sobre Business Model Generation.

No domingo participei um pouco da trilha ágil coordenada pelo Manoel Pimentel e fiquei mais tempo nos bastidores trocando idéias com a galera. Tivemos também dois ótimos “Hora Extra” para tomar uma cerveja e jogar conversa fora. Em um deles inclusive consegui mostrar meus atributos de músico aposentado com direito a filmagens e gritinhos…

Obrigado galera de Goiânia pela ótima recepção, ao Alê pelo convite e a Globalcode representada pelo Vinicius e Yara Senger pela realização do evento!

Essa semana tem Jera no FISL 12 e AgileBrazil 2011

Começou a temporada de eventos! No segundo semestre temos uma agenda muito mais agitada que no primeiro semestre e nessa semana já começamos com dois eventos de peso no cenário nacional, o Fórum Internacional de Software Livre, o popular FISL e a Conferência Brasileira de Métodos Ágeis, o AgileBrazil.

 

Estaremos representados no FISL em Porto Alegre pelo Porkaria palestrando no dia 01 (sexta-feira) na sala 41-D fisl 4 as 14 hs. Ele vai falar sobre o tema: Webapp, já posso investir nisso? que também foi apresentada no BrasilJS em Fortaleza em Maio.

 

 

No AgileBrazil teremos Saulo Arruda falando sobre o tema “Todo Mundo Nasce Ágil” no dia 30 (quarta-feira) as 14:30 na sala gestão em Fortaleza/CE. Essa palestra também figurou no Maré de Agilidade – Edição Pantanal que organizamos em Maio em Campo Grande/MS. Lembrando que este ano também estamos patrocinando o evento.

 

Pra não deixar passar, estaremos também organizando a trilha de empreendedorismo no TDC 2011 e em breve teremos QCon, RubyConf, Linguágil, Teched, Latinoweb, SBGames, PHPConfBR, Javaneiros e vários outros.

Mais um AgileBrazil!

Esse ano estive novamente no AgileBrazil, desta vez em Fortaleza/CE do dia 29/06 a 01/07 na Fábrica de Negócios. Dessa vez eu fui sozinho, mas encontrei por lá vários conhecidos e amizades de venho cultivando no último ano.

Como sempre, não vi muitas palestras, mas aproveitei bastante os bastidores do evento com ótimas trocas de idéias com a galera da SEA (Alê, Willi, Leo e Bruno), Dom Milfont, galera da Caelum, Juan Bernabó, Luca Bastos e vários outros figuras da comunidade!

Os “hora extra” também foram muito bacanas, fortaleza é um lugar que oferece lugares muito legais para tomar uma cerveja, curtir um show de humor cearense e escutar um som. E acredite, não ouvi só forró por lá!

Na quinta-feira, dia 30, ministrei minha palestra “Todo mundo nasce Ágil” para uma sala com bastante gente (para uma palestra logo depois do almoço) e muito interesse do pessoal o que me deixou bem satisfeito com o resultado. Se quiser dar uma olhada nos slides:

Depois do evento tive a satisfação de participar de um pós-evento chamado #empreendaframps, que trata-se de um grupo de empreendedores que vêm se reunindo para trocar idéias e curtir um fim de semana em um lugar legal. Tive a excelente opotunidade de trocar idéias com várias figuras carimbadas do movimento agile nacional e aprender muito com eles!

Tirei algumas fotos que publiquei no nosso flickr:

Novamente o AgileBrazil foi um excelente evento pra mim! Espero ano que vem ter a oportunidade de participar novamente em São Paulo e pra quem não foi, recomendo não perder a próxima edição.

Retrospectiva Maré de Agilidade – Edição Pantanal

O Maré de Agilidade – Edição Pantanal, foi sucesso total. Um evento feito POR e PARA a comunidade que tem como objetivo fomentar a cultura ágil.

A opção de ter cursos antes e depois do evento acabou permitindo as pessoas uma maior prática e aprendizado, aproximando ainda mais dos palestrantes e troca de conhecimento. O conteúdo das palestras foi de altíssimo nível, uma melhor que a outra.

Mas o diferencial desse evento sem dúvida nenhuma, foram os vários “Happy-Hour” com toda a galera, muita troca de experiências, oportunidade de negócios e blablabla tecnológico.

RETROSPECTIVA

Como em todo processo Ágil, fizemos nossa retrospectiva. Ficamos muito satisfeitos com o resultado do evento e já identificamos vários pontos a serem observados para uma próxima oportunidade.

Resumindo em números o Maré foi:

  • 209 inscritos
  • 187 confirmados
  • 170 participantes no dia de palestras
  • 3 instrutores / 6 palestrantes
  • 79 participantes de cursos
    • 36 FAN4SCRUM
    • 20 Domain Driven Design
    • 33 Arquitetura e Design de Projetos em Java
  • R$ 23.550,00 de renda total, gasto todo no evento.

Fizemos também uma ficha de avaliação com todos os participantes e tivemos uma adesão de 45% de respostas em média.

Evento

estatística completa

 

FAN 4 Scrum

estatística completa

DDD

estatística completa

Arquitetura

estatística completa

AGRADECIMENTOS

O evento foi realizado pela Jera Software, e contou com a ajuda de toda a comunidade local, agradecimento ao JUGMS, PHPMS, Debian-MS, Pantanet, GURUMS e ArduinoMS.

O apoio das empresas e  pessoas que nos ajudaram com o conteúdo: Finito (Paulo Vasconcelos), Caelum (Paulo Silveira), Crafters (Felipe Rodrigues), SEA Tecnologia (Alexandre Gomes), Jera Software (Saulo Arruda) e Dígitho Brasil (Robson Castilho).

Várias outras empresas contribuíram participando e incentivando o evento, entre elas: e-genial, High-Tech, Portal Educação, SENAC-MS, UNIDERP, AZ Informática, Dígitho Brasil, DSF, Itel Informática, …

Essas pessoas ou empresas merecem muita admiração e consideração pela comunidade.

O que falaram do evento?

Algumas pessoas também falaram desse Maré.