Aumente as chances de sucesso do seu negócio com o método de MVP Sprint

Muitos de nós já tivemos ideias fantásticas e que iriam revolucionar o mundo. Quando temos estas ideias, ficamos muito empolgados. Imaginamos as pessoas utilizando e queremos botar em prática o quanto antes.

Porém, quando sentamos na nossa cadeira para pensar em como iremos começar, milhões de perguntas surgem. Ficamos inseguros, a apreensão bate e nos questionamos: será que minha ideia vai dar certo?

Ou pior, alguns até conseguem tirar do papel e depois de gastar muito tempo e dinheiro, veem seu projeto não dar certo e se frustram com o esforço que foi em vão.

Alguns dos nossos clientes tiveram estes problemas e não era legal vê-los nesta situação. Como solução, começamos a utilizar a metodologia Direto ao Ponto de Paulo Caroli, que ajudou-nos a estruturar melhor os projetos deles, o que trouxe produtos mais enxutos e que entregam mais valor. Depois de perceber o resultado positivo, criamos o processo de MVP Sprint.

Nunca ouviu falar sobre MVP, aconselho ler estes artigos do nosso blog que explicam o que é:

Você conhece o Lean Startup? Veja como essa metodologia pode ajudar sua empresa

Como lançar um aplicativo de sucesso no mercado

O que é a MVP Sprint

O processo de MVP Sprint é um trabalho colaborativo que dura em torno de duas semanas e envolvem as partes interessadas do negócio (clientes) e a nossa equipe.

Durante estes dias, exploramos e entendemos o problema, debatemos o negócio, propomos soluções, definimos a estratégia e o que será feito e, por fim, construímos o MVP (Produto Mínimo Viável) alinhado aos objetivos do negócio propostos.

Quer saber mais sobre a MVP Sprint? Clique na imagem acima e baixe a apresentação que fizemos na Feira do Empreendedor MS, que detalha todas as etapas realizadas durante o processo.

Dividimos o processo em duas fases: descoberta e wireframe.

Descoberta

Nesta fase reunimos todos os envolvidos com o projeto em uma sala fechada. É interessante que tenha pessoas de áreas diferentes. Isso porque o debate torna-se mais amplo e a gama de conhecimento maior.

Em cinco dias realizamos várias dinâmicas para esmiuçar tudo sobre a ideia. Ao final da sprint de descoberta, definimos a visão do produto, o perfil dos usuários do negócio e as funcionalidades que entrarão no MVP e também alinhamos a estratégia de lançamento do produto, na qual, estipulamos os resultados esperados e as métricas de sucesso.

Wireframe

Nesta fase construímos o protótipo do produto conforme o MVP  já definido na descoberta. Os objetivos desta etapa são: materializar o que estava na mente de todos e ter algo palpável para validar a ideia.

Chamamos esta fase de wireframe, porque é um modelo de protótipo utilizado em design de interface que busca estruturar a navegação e a disposição do conteúdo, esquivando-se de qualquer apego visual.

Exemplo de wireframe

Para fazer o wireframe do protótipo, utilizamos o Sketch App para desenhar as telas e o Invision para fazer a navegação do sistema.

Validação

É fundamental realizar a validação do protótipo construído na MVP Sprint. Com isso você terá respostas que irão ajudar na evolução do negócio, mudar de direção ou abandonar a ideia.

Descobrir que sua ideia fracassou é triste, mas não é ruim. Pense que será gasto menos tempo e dinheiro do que se fosse feito um projeto gigantesco e sem uma estratégia traçada.

Conclusão

A MVP Sprint auxilia na organização das ideias. Também ajuda a estimar com mais precisão os custos e o cronograma do projeto.

Outro ponto positivo é a idealização de produtos mais enxutos. E que também entreguem valor e direcionem para onde se quer chegar.

Além do viés estratégico, os envolvidos com a ideia compreendem melhor os objetivos do negócio. E acabam se engajando ainda mais para fazer acontecer o projeto.

Texto e Imagem: Vinicius Rocha

Afinal, O que é Hackathon? Veja agora cinco motivos para participar de um

O termo hackathon anda ganhando muita popularidade ultimamente, principalmente na área de tecnologia. Você provavelmente já deve ter ouvido ele pelo menos uma vez, certo?

Mas afinal, o que é esse tal Hackathon? É um ritmo baiano? É uma nova linguagem de programação?

Nem um, nem outro. O Hackathon, na verdade, é um evento que objetiva colocar em produção uma ideia/negócio/produto que solucione um problema social. Durante o Hackathon, profissionais de diferentes áreas (negócios, tecnologia, comunicação, etc) se reúnem e trabalham juntos para criar uma solução para o problema apresentado. Legal né?

Os participantes do Hackathon são divididos em times, escolhidos aleatoriamente. E os grupos devem colocar em produção uma ideia inovadora em 48h. No final do evento, uma equipe de avaliadores técnicos irão julgar os projetos. O time que colocou a melhor ideia em produção ganha o prêmio.

Agora já sabendo disso, vamos falar um poucos sobre quais são os motivos para você participar de um Hackathon:

Ajudar a resolver um problema social

Todos nós, uma vez ou outra, reclamamos dos problemas que nos cercam, mas que infelizmente pouco podemos fazer para mudá-los. Seja um problema ambiental, social ou econômico. No evento, você poderá fazer a sua contribuição para a nossa sociedade e criar uma forma de melhorar a vida das pessoas. E depois, se você quiser, pode até dar continuidade com a ideia.

Network

Diversas pessoas, de diferentes cidades e áreas, estarão participando do evento junto com você e farão parte do seu time. Então, é uma ótima oportunidade para ampliar a sua rede de contatos ao redor do Brasil e divulgar o seu trabalho.

Aprimorar soft skills

Não é só de hard skills que se vive um profissional, né?! No Hackathon você será levado ao seu máximo durante horas de trabalho, então você com certeza desenvolverá habilidades novas ou irá aprimorar as que você já tem. Por exemplo, você irá precisar ser resiliente, trabalhar em equipe, ser orientado para solução, analítico, comunicador, inovador, entre outras coisas.

Imersão

Você ficará um final de semana inteiro estruturando e desenvolvendo o seu produto. Então serão horas de trabalho focado e imerso no mundo da tecnologia, empreendedorismo e inovação.

Ambiente desafiador

Participar de um Hackathon é uma experiência que irá te tirar completamente da sua zona de conforto. Afinal, você precisará criar e desenvolver a melhor solução para o problema apresentado em apenas 48h e com pessoas que você nunca trabalhou antes. Então, se você gosta de desafios e aprendizado rápido, o evento foi feito para você.

Ficou interessado? Então faça a sua inscrição em um agora mesmo! O Google Developers Group de Campo Grande – MS (GDG CG), com o apoio da Jera, está organizando o seu primeiro Hackathon. Para fazer a sua inscrição é só acessar o link: https://bit.ly/2LtwXFT

Corre lá porque o evento já irá acontecer semana que vem!

Se você for meu cliente, espero que falhe logo

Texto por Ney Ricardo

É isso mesmo! Espero que você falhe o mais rápido possível, mas não é nada pessoal. Empreender é como um investimento de alto risco: grandes chances de fracasso.

Ao longo desses quase 2 anos trabalhando como Product Owner na Jera, vi vários produtos revolucionários e com grande potencial de ganho morrerem no momento em que foram parar no mercado.

É duro admitir, mas eu contribuí diretamente para alguns desses fracassos, já que atuo aconselhando o clientae. Apesar de toda minha experiência com startups, não é possível oferecer garantias de que lá no final o produto vai dar certo.

Entretanto, existem algumas sacadas que podem ajudar a economizar o seu tempo e dinheiro.

Gimli filho de Glóin, filósofo anão
Gimli filho de Glóin, filósofo anão

Descoberta

Por incrível que pareça, muita gente ainda nos procura sem conhecer muito bem o próprio produto. E não falo sobre saber como você quer que funcione.

Empreendimento é que nem filho: tão bonito e perfeito… não admito que digam o contrário.

Entenda que você está criando algo novo para o seu cliente, e não para si mesmo. Logo, se o seu cliente não enxerga valor na solução, não comprará a ideia.

A coisa mais importante no início de uma nova empreitada é identificar o problema que você está resolvendo. Depois identificar quem são os clientes ideais. O que eles fazem, onde vivem… Clichê, mas é real.

E em seguida vem a mágica: entrevistar a pessoa de quem você quer tirar dinheiro com seu produto, pra ter certeza de que ela também tem o mesmo problema e pagaria pra tê-lo resolvido. Aproveite e tente vender, mesmo sem ter o produto ainda. Intenção de compra é uma coisa, venda é outra.

Definir ou refinar

Deu certo? Viu que tem mais gente com a mesma dor interessada em ter o problema sanado? Hora de criar hipóteses.

Tudo nesta fase é parcialmente conhecido, por isso trabalhamos com a crença de que a solução imaginada vai mesmo ajudar as pessoas.

Mapear cada passo da jornada da pessoa que vamos atender e imaginar como poderíamos ajudá-la da melhor maneira possível. É aqui que começam a nascer as possíveis soluções. Mas, veja, tudo se baseia em hipóteses, não é a solução final, nunca será o final.

Desenvolver

Hora de criar um protótipo que seja testável pelas mesmas pessoas que entrevistamos na fase anterior, com base no que aprendemos até agora.

Nesse ponto o design ajuda demais, já que toma menos tempo e gasta menos recursos do que partir direto para a implementação de uma solução.

Ainda estamos trabalhando com hipóteses, lembra? Então o ideal é pegar esses protótipos com todas as soluções que imaginamos para o problema e colocar nas mãos das pessoas que conversamos lá no começo.

Entregar

Aqui são feitos os testes e a validação do protótipo. Com um profissional bem treinado para observar a utilização do protótipo, será possível identificar os pontos de confusão e estresse ao longo das interações.

Anotados todos os pontos de melhoria, hora de documentar o aprendizado, analisá-lo, refinar o nosso protótipo e, dependendo do que for descoberto, podemos voltar à fase de descoberta ou, se tudo der certo, iniciar o desenvolvimento de fato.

Conclusão

Processo do Diamante Duplo
Processo do Diamante Duplo

Se você não concluiu que o projeto é um fracasso em nenhuma dessas fases, isso é um sinal de que o seu investimento terá muitas chances de realmente dar certo quando for para o mercado.

E se fracassou no meio dessa jornada, qual é o problema? Pense na economia de tempo e dinheiro. Pense também no aprendizado adquirido.

O segredo do sucesso é falhar logo. Depois pegar o que aprendeu e agir em cima disso.

Fail fast and cheap. Fail often. Fail in a way that doesn't kill you. — Seth Godin
Fail fast and cheap. Fail often. Fail in a way that doesn’t kill you. — Seth Godin

E depois, quando as pessoas já estiverem pagando pela sua solução? Isso já é assunto pra outra conversa: fazer o negócio crescer.

Times Scrum – Como facilitar as fases de formação?

Texto por Bianca Pereira

No texto anterior, entendemos um pouco mais a analogia entre o time de scrum e o de futebol (clique para ler). Vimos brevemente como as equipes são compostas e entendemos melhor os papéis que cada um desempenha.

Hoje conversaremos melhor sobre as fases de formação de times e como arbitrá-las até a equipe se estabilizar na partida.

Em 1965, o psicólogo Bruce Tuckman publicou um estudo apresentando as quatro etapas de construção de um grupo e o comportamento das pessoas em cada momento.

Formação e conflito

O primeiro estágio, chamado de “formação”, envolve a apresentação, o entrosamento inicial dos membros, entendimento do “jogo” e reconhecimento das outras posições.

O facilitador ou Scrum Master, analogamente ao juiz da partida, exerce um papel diretivo para equipe, trazendo pontos de atenção relacionados ao objetivo do projeto. É o momento de mostrar as regras do jogo que precisam ser seguidas: prazos, cerimônias do Scrum, objetivos de entregas.

No segundo momento, a equipe tende a entrar na fase de “conflito”.  É quando os ânimos ficam exaltados e a pressão da vitória atinge todos os membros do time. Surgem, então, os carrinhos, os puxões de camisa, as defesas irregulares e o juiz precisa ser mais incisivo em relação às regras.

Alguns times podem tentar evitar essa fase, camuflá-la ou negá-la. Porém, é importante que scrum master ou facilitador do projeto ajude a trazer esses problemas à tona.  Só assim o grupo poderá reconhecer o conflito e chegar a uma solução em conjunto.

Estabilização e desempenho

Depois da tempestade, vem sempre a calmaria e é por isso que após muitas faltas marcadas e cartões distribuídos, os times entram na fase de “normatização”, seguida pela etapa de “desempenho”.

Esse período de estabilidade ocorre porque os membros resolveram os conflitos e passam a reconhecer os pontos fortes uns dos outros, trabalhando com sinergia para suprir as lacunas em direção ao mesmo objetivo.

O juiz continua a exercer um papel de apoio, mas sua interferência torna-se cada vez menos necessária. O time começa a adquirir independência e alta performance.

Uma partida de futebol e projetos de scrum não são eventos lineares. Alguns acontecimentos podem levar times já estabilizados novamente ao conflito. Isso acontece por exemplo, com a entrada e saída de membros, mudança na priorização de entregas, trocas de papéis, discordância de técnicas, entre outras inúmeras situações. Nesse caso, cabe ao juiz ser imparcial e diretivo fazendo valer as regras do jogo visando ao resultado esperado.

Para além da teoria, cada jogo e cada time tem sua particularidade. Imagine-se sendo árbitro de uma disputa entre Flamengo x Macaé ou São Paulo x Portuguesa, parece algo dentro do “roteiro”, certo? Agora, coloque-se como juiz em um jogo entre, por exemplo,  Flamengo x Fluminense, Grêmio x Internacional ou ainda, Palmeiras x Corinthians e algumas outras variáveis entram em questão. Mas isso é papo para outra hora, por hoje, fim de jogo.

Times Scrum – Quem não sonhou em ser um jogador de futebol?

Texto por Bianca Pereira


Todo amante de futebol sabe a importância que faz um time bem estruturado em uma partida. As posições precisam ser estrategicamente definidas e preenchidas com os jogadores responsáveis, é preciso treinar diariamente para evoluir a técnica e, principalmente, o time precisa estar entrosado.

Muitas vezes temos jogadores com muita habilidade em campo, mas se não houver o tal do entrosamento do grupo, nada feito! Então acontecem passes perdidos, bola na trave, bola na área sem ninguém pra cabecear, e daí, o choro é livre.

Quem já trabalhou utilizando o Scrum, sabe que funciona da mesma maneira. Para entregar um projeto baseado nesse framework, a construção de um time colaborativo é essencial. Isso vai além do domínio de técnicas avançadas de desenvolvimento e abrange a capacidade de adaptação, inspeção e transparência da equipe para com o jogo em si.

Para chegar nesse patamar é preciso, claro, muitos treinos, muitos jogos, adversários “fáceis”, aqueles mais complicados, muita falta apitada e alguns cartões pelo caminho.

Papéis do time scrum x time de futebol

Para contar essa história direito, vamos explicar os papéis do Scrum dentro de campo e veremos como os times são formados. 

time2-1

 

Product Owner (Goleiro/Capitão do Time)

A principal função do PO é traduzir os interesses do cliente em valor, priorizar isso de forma assertiva e comunicar o que será ou não feito para o restante da equipe. Como capitão, é ele quem vai motivar as pessoas em relação ao negócio e mostrar o porquê de aquilo estar sendo feito. Além disso, ele também precisa defender o time dos itens que fogem do objetivo a ser entregue.

Na formação de times colaborativos, tanto de futebol quanto de Scrum, essa é uma atribuição fundamental. “Falem um com outro, cobrem um do outro, ajudem um ao outro, queiram ganhar um com o outro” é parte de uma famosa preleção de Rogério Ceni que poderia ser facilmente usada em uma Daily Scrum.

Gosto de fazer a analogia do PO com o goleiro, pois ele é um indivíduo um pouco distinto, joga com os pés, mas sobretudo joga com as mãos e posicionamento. Não tem como jogar sem ele, e dificilmente conseguimos substituí-lo por um jogador de linha.

Time de desenvolvimento (Jogadores de linha)

Colocando um objetivo em comum a ser alcançado em cada caso, desenvolver sistemas pode ser comparado a vestir a camisa e chutar a bola no gol. Veja que nessa situação não há diferenças entre quem desenvolve, quem testa, quem valida requisitos ou quem desenha fluxos, todos buscam o mesmo foco e contribuem de acordo com sua posição em campo.

Scrum Master ou Facilitadores (Juízes)

Os juízes são responsáveis para que a partida aconteça de acordo com as regras do futebol, enquanto o Scrum Master ou Facilitador garante que os princípios do Scrum sejam desenvolvidos no decorrer do jogo. Cabe a ele comunicar esses preceitos da melhor forma e fazer com que a equipe consiga avançar os estágios de formação durante o projeto.

A regra é clara e quando a situação sai do roteiro, ele precisa se posicionar, direcionar a disputa e conduzir os times. Muitas vezes alguns podem achar que árbitros são desnecessários e o melhor seria que sua função não fosse percebida. De certa forma, isso é verdade, porém, são nos jogos complicados que essa figura torna-se fundamental para o desenvolvimento do time e jogo.

Como nem tudo são flores, as equipes podem estar desfalcadas em algumas situações e o time precisa se adaptar para suprir esses hiatos. Defesas são feitas por laterais, gols são marcados por zagueiros. Mas por mais que a equipe passe por uma etapa de conflito, com muito treino, ela consegue se desenvolver e caminhar para melhores resultados.

Formação de times

time1-1

Tanto no futebol quanto no Scrum, a formação de times colaborativos e auto gerenciáveis não é algo simples. Você escolhe os jogadores responsáveis por cada posição, apresenta os outros membros e tudo vai bem, até colocá-los para trabalharem em equipe. 

Em 1995, após ter sido eleito o melhor jogador do mundo, Romário desembarcava na Gávea. Pouco tempo depois era a vez do campeão brasileiro Edmundo e o “melhor ataque do mundo” estava formado. Parecia que o puro talento dos seus jogadores renderia incontáveis títulos ao Flamengo, mas um elenco vitorioso precisa ser um time antes de tudo.

O grupo durou apenas 6 meses apresentando problemas de gestão, estrutura, organização e estilo de jogo. Próprios ex membros da equipe a classificavam como “uma bagunça”. O que deu errado?

Equipes de scrum passam por processos semelhantes, o grande desafio é auxiliar que elas se desenvolvam e atravessem as fases de formação e conflito. Chegar à estabilidade e alto desempenho em um projeto é um desafio diário que requer muito treino. Será que sua equipe está preparada? Falaremos mais disso no nosso próximo post, por hoje, fim de jogo.