Lei trabalhista e trabalhadores

Hoje li mais um artigo bombástico do Ricardo Jordão entitulado “Eu escutei os conselhos de pessoas mais inteligentes do que eu, e ignorei a todos” falando sobre o tema trabalho. Concordo plenamente com a visão exposta por ele no artigo e em breve terei boas novidades publicadas aqui sobre o assunto.

Mas o assunto desse meu post é outro ponto de vista sobre o assunto. Há alguns minutos escutei meu pai reclamando que não tem mais gente querendo trabalhar hoje em dia. Ele é advogado e atende vários processos trabalhistas desde quando já advogava pela empresa dele. Contou o caso que está atendendo de uma construtora que contratou 15 funcionários e destes, 14 entraram com ações trabalhistas alegando um absurdo maior que o outro.

Alguns casos são até engraçados. Um desses 14 foi contratado, levou sua carteira de trabalho para a empresa registrá-lo e nem apareceu no primeiro dia de trabalho. O RH tentou contato, mas o cara não foi encontrado e também não fez nenhum contato. Alguns dias depois, chega uma ação trabalhista acusando a empresa de reter a carteira de trabalho do cidadão, que está com a pensão alimentícia atrasada (o que realmente dá cadeia no Brasil) e está impossibilitado de trabalhar devido a empresa não ter devolvido sua carteira de trabalho. O advogado do cidadão pediu R$ 6.000,00 por “danos morais”. É mole??

Concordo com o mérito das leis trabalhistas quanto ao objetivo de proteger o trabalhador contra empresas exploradoras. Mas pensando que a maioria das empresas do país, e maiores empregadores, são pequenas ou micro-empresas, não vejo muitas histórias de exploração do funcionário pela empresa nesses casos. O que tenho visto com bastante frequência é o empresário reclamando de ações trabalhistas uma mais absurda que a outra. Alías, como meus pais sempre foram empregadores, escuto isso desde criança.

O interessante é que as vezes a gente tenta se colocar no lugar das pessoas. Baixos salários, trabalho insalubre, condições precárias de segurança, nenhuma escolaridade são fatores que só agravam o problema. Mas trabalhando na área de TI, que conta sempre com bons salários (pelo menos maiores que a média nacional), alta escolaridade, boas condições de trabalho, ainda nos deparamos com pessoas querendo tirar vantagem e exigir seus “direitos”. Enfim, … não vou entrar nos méritos desse assuntos, é lamentável.

O ponto que quero focar é que hoje temos mais empregos do que profissionais capacitados para o trabalho. Milhões de pessoas buscando a estabilidade do serviço público com seus altos salários e benefícios, além de um plano de carreira que culmina na aposentadoria sem muito esforço. Não encontrei uma boa maneira de terminar esse post, infelizmente é um assunto que me deixa bastante chateado. Mas disso eu tiro uma lição para mim: Quero equilíbrio, e não estabilidade.